Caixa eleva financiamento e construtoras têm dia de alta

As ações de construtoras dispararam nesta segunda-feira (18), após a notícia de que a Caixa Econômica Federal irá elevar o teto do valor de imóveis que podem ser financiados. O IMOB, índice do setor imobiliário, chegou a subir 2,4% durante o dia.

As ações de construtoras dispararam nesta segunda-feira (18), após a notícia de que a Caixa Econômica Federal irá elevar o teto do valor de imóveis que podem ser financiados. O IMOB, índice do setor imobiliário, chegou a subir 2,4% durante o dia.

PDG Realty era quem registrava as maiores altas. Duante o dia, as ações ordinárias da companhia subiam pouco mais de 13% e eram negociadas a 4,07 reais. Além das mudanças da Caixa, os preços dos papéis foram influenciados pela informação de que as dívidas da companhia com o Banco Vototantim serão prorrogadas por mais quatro anos. De acordo com o jornal Valor Econômico, os juros serão aferidos, mas pagos apenas em 2020.

As ações da Helbor também subiam. Por volta das 16h, os papéis eram cotados a 1,74 real — alta de 9,38%. No mês, a companhia já acumula ganhos de quase 27%.

Quem também se dava bem na Bolsa eram os investidores da Rossi. No pregão de hoje, as ações ordinárias da construtora registravam alta de quase 7% e eram negociadas a 4,06 reais. Na última sexta-feira, a empresa fechou em alta de 10%, depois que surgiram rumores sobre um novo lançamento em Sergipe. Se confirmado, o empreendimento irá quebrar um jejum de quase dois anos da companhia. No mês, a Rossi acumula ganhos de 38,10%.

Cyrela também registrava ganhos de quase 3,5%. As ações eram cotadas a 10,75 reais durante a tarde. No mês, a empresa acumula alta de 4,47%. 

Prêmio Top Of Mind - Salvador 22° Edição

Prêmio Top Of Mind - Salvador 22° Edição

Prêmios

Em 2016, a Tenda recebeu o prêmio Top of Mind no segmento Construtora de Casas e Apartamentos. Para nós, é um importante reconhecimento. Agradecemos a você, cliente, que confiou no nosso trabalho e agora tem uma casa para chamar de sua.

Valor do aluguel de conjuntos comerciais cai mais de 11% em doze meses

Valor do aluguel de conjuntos comerciais cai mais de 11% em doze meses

Economia

Novo Índice FipeZAP Comercial também mostra retração nos preços para venda
Todos os direitos reservados Tenda